Diretamente relacionada ao estilo de vida, a utilização de embalagens reflete a cultura e o estágio de desenvolvimento de um povo. E, por fim, sua responsabilidade ambiental.

Em todo o mundo moderno, as embalagens de produtos em geral já representam um terço dos resíduos domésticos produzidos. No Brasil, como sua reutilização se limita a 20% do total gerado, todo o volume restante vai ocupar os aterros sanitários como uma superlotação, reduzindo sua vida útil.

Esses dados relacionados às embalagens, por sua vez, caracterizam aspectos da responsabilidade ambiental com que elas são abordadas. Veja o que você pode fazer.

Responsabilidade ambiental

Conceitualmente, responsabilidade ambiental é o conjunto de posturas e atitudes com vistas ao desenvolvimento sustentável do planeta. Refere-se a pessoas e a empresas e diz respeito a pequenas e grandes ações no dia a dia, não se limitando a grandes projetos.

A responsabilidade ambiental considera a necessidade de promover uma revisão no modo como se dá a produção e o consumo, de modo que as facilidades pessoais e econômicas não sejam alcançadas a qualquer custo. É um investimento que se faz para garantir mais qualidade de vida.

A geração de embalagens pelas empresas (indústria e comércio) e o seu consumo pela sociedade inserem-se diretamente nessa abordagem conceitual de responsabilidade ambiental. Em outras palavras, constituem a grande questão de como reduzir a produção de embalagens e reciclar as existentes.

O Princípio dos 5 Rs

Anteriormente conhecido como 3 Rs, evoluiu para 4 Rs e hoje se trata do Princípio dos 5 Rs. Na verdade, podem ser infinitos Rs em conformidade com a responsabilidade ambiental.

O princípio rege um conjunto de ações que visa reduzir a geração de resíduos na contabilidade final. Parte-se da ideia central de que reduzir o consumo é o caminho mais eficiente. E, quando o consumo for necessário, deve-se considerar o impacto ambiental envolvido com o uso e a destinação final.

O Princípio dos 5 Rs aplicado às embalagens leva em consideração o tempo de decomposição dos materiais utilizados na sua produção:

  • Papel — de 3 a 6 meses
  • Tecidos — de 6 meses a 1 ano
  • Metal — Mais de 100 anos
  • Alumínio — Mais de 200 anos (inclusive Tetra Pak)
  • Plástico — Mais de 400 anos
  • Vidro — Mais de 1000 anos

Repensar

Refere-se à avaliação da real necessidade da produção e do consumo de um determinado produto, considerando a sua significância no ciclo ambiental (volume gerado, tempo de decomposição etc.). Às vezes, o produto é imprescindível, mas não todo o volume ou tipo de embalagem com que é disponibilizado no mercado.

Reduzir

Trata-se de avaliar o consumo excessivo de produtos em geral, com vistas à sua redução e, consequentemente, menor geração de embalagens como respectivos resíduos. Um exemplo é a utilização de refis de determinados produtos, mantendo uma primeira embalagem original. A embalagem do refil é sempre menor.

Reutilizar

Consiste no reaproveitamento de um produto ampliando, desse modo, sua vida útil. A reutilização pode se dar com outra finalidade, ou para produtos diferentes da primeira, original. Por exemplo: vidros de conservas utilizados para guardar utilidades domésticas, utilização de embalagem pet em trabalhos artesanais etc.

Reciclar

Trata-se do aproveitamento da matéria prima de que é constituído determinado produto, quando não é mais possível sua utilização. A reciclagem consome menos energia e menos insumos que a produção normal.

Recusar

É o direito que tem todo consumidor de escolher o produto que considera ambientalmente mais adequado e recusar aquele que não leve em conta a responsabilidade ambiental do fabricante.

Gostou dessa explanação? Você pode assinar nossa newsletter e receber mais informações sobre saúde e meio ambiente.

Powered by Rock Convert